sábado, 12 de setembro de 2009

Primeira poesia escrita na casa das palavras;.....

O condutor de uma esfera
Na escravidão do sacrificio!

O Eterno com o futuro.
O presente anulado,
O passaro dianteiro.

Há!se esse segredo me escapa!
Como quando viraste outra e,
A primaver sobras de um futuro distante.

Muleta do tempo abstrato
Ilusões precarias

Outra naúsea
Outros tons
Outras ilusoes

No amanha que nasce morto
Com tantos pseudos morais
O fim que não é fim

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

olha como fico feliz ao seu lado...mesmo que a distancia....


Sem voce pedro meu mundo seria muito mais pequeno, muito mini, muito um dia chuvoso de uma sexta-feita.... com vc tudo faz sentido! Naufrago em vc e vc naufraga em mim, a unica certeza e de não ter certeza de nada !!!!!Sempre que fico ao menos perto, ja sinto saudade.....é verdade;............como sinto!

Não fui no médico hoje por pura fobia:

se vc(PEDRO) quizer ter um filho comigo. Pode ir no Dr. Eliseu comigo pra tirar os remedios pra durmir!

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Coisas que eu sei......só isso!


“HumildadeSenhor, fazei com que eu aceite minha pobreza tal como sempre foi. Que não sinta o que não tenho. Não lamente o que podia ter e se perdeu por caminhos errados e nunca mais voltou. Dai, Senhor, que minha humildade seja como a chuva desejada caindo mansa, longa noite escura numa terra sedenta e num telhado velho. Que eu possa agradecer a Vós, minha cama estreita, minhas coisinhas pobres, minha casa de chão, pedras e tábuas remontadas. E ter sempre um feixe de lenha debaixo do meu fogão de taipa, e acender, eu mesma, o fogo alegre da minha casa na manhã de um novo dia que começa.”

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Pra tocar no violão

Interação: -1 tom | -1/2 tom | +1/2 tom | +1 tom


Para abrir os olhos
Composição: Helio Flanders


Intro - Bm G Em

Bm G
Eu devo ir
Em
Não há mais sentido
A
Nos resta se juntar

(Segue igual)
Quem sou eu
Já não importa
Nem nunca importou

O que importa é o que te quebra em duas cidades
O que importa é o que te deixa tão transfuso

O que é a dor eu não entendo
Mas sinto apertar de leve o meu peito
Nas madrugadas quando estou a navegar

Faz quarenta dias que eu estou no meu barco a vela
E não me sinto tão sozinho, eu tenho meus amigos

G Em
Que só aparecem quando eu bebo
G Em
Que só aparecem quando eu bebo

Solo - Bm G Em A...

G Em
Que só aparecem quando eu bebo
G Em
Que só aparecem quando eu bebo
G Em
Que só aparecem quando eu não sou eu
G
E hoje eu não..

Bm G Em A
O que importa é o que te faz rachar as velas
Bm G Em A G
O que importa é o que te faz abrir olhos de manhã

A
E já é de manhã
G A
Adeus, já é de manhã
G A
A estrada espera, já é de manhã
G
E já é de manhã
A
E já é de manhã
G
E já é de manhã

Assim que me sinto

TRADUZIR LETRA PARA:

Eu devo ir
Não há mais sentido
Nos resta se juntar

Quem sou eu
Já não importa
Nem nunca importou

O que importa é o que te quebra em duas cidades
O que importa é o que te deixa tão transfuso

O que é a dor eu não entendo
Mas sinto apertar de leve o meu peito
Nas madrugadas quando estou a navegar

Faz quarenta dias que eu estou no meu barco a vela
E não me sinto tão sozinho, eu tenho meus amigos
Que só aparecem quando eu bebo

Que só aparecem quando eu bebo
Que só aparecem quando eu não sou eu
E hoje eu não...

O que importa é o que te faz rachar as velas
O que importa é o que te faz abrir os olhos de manhã

E já é de manhã
E já é de manhã
E já é de manhã
E já é de manhã
Adeus, já é de manhã
A estrada espera, já é de manhã

E já é de manhã
E já é de manhã
E já é de manhã

Tudo é tão simples que cabe num cartão postal...